Your cart is empty.
×
Your cart is empty.
Leucemia
31 de maio de 2021 bookboxadm

Leucemia

Notícias

É um câncer maligno que começa na medula óssea, um tecido gelatinoso encontrado no interior dos ossos, onde as células sanguíneas são produzidas.

É na medula óssea, também conhecida como “tutano”, que são encontradas as células-mães ou precursoras, assim chamadas porque originam os elementos do sangue: os glóbulos brancos, glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) e as plaquetas.

Quando ocorre a leucemia, os leucócitos (glóbulos brancos) são as células acometidas, que começam a se reproduzir descontroladamente, gerando sintomas e sinais da doença.

Quando a divisão das células é rápida, fica conhecida como leucemia aguda. Já se é lenta, designa-se leucemia crônica. Nesta última forma da enfermidade, as células envolvidas são parecidas com a célula normal, o que permite aos pacientes manter algumas funções normais no organismo. Mas a versão aguda possui progressão rápida, o que afeta as células jovens que ainda não foram completamente formadas, comprometendo suas funções e a capacidade de defesa do organismo.

Os principais sintomas de leucemia decorrem do acúmulo dessas células na medula óssea, prejudicando ou impedindo a produção dos glóbulos vermelhos, dos glóbulos brancos e das plaquetas. Depois de instalada, a doença progride velozmente, exigindo que o tratamento seja iniciado logo após o diagnóstico.

 

Diagnóstico

No diagnóstico de leucemia, se atentar aos sinais e sintomas é a melhor forma de descobrir a doença, que raramente é percebida no início. Muitos exames podem ser feitos para que o diagnóstico seja efetivado. Alguns são:

  • Hemograma e esfregaço de sangue;
  • Biópsia e mielograma;
  • Exames de sangue;
  • Punção lombar;
  • Exames de imagem, como raios x, tomografia computadorizada, ultrassom e ressonância magnética;
  • Citometria de fluxo;
  • Cintilografia óssea;
  • Exame citoquímico;
  • Exame citogênico ou cariótipo;
  • Exame imunocitoquímico;
  • Estudos moleculares.

 

Causas

Todos os tipos de leucemia ocorrem por conta de uma alteração genética que pode não ser hereditária e sim adquirida durante a vida. As células sofrem uma mutação dos genes e então ocorre uma divisão celular que desativa os genes supressores do tumor. Também acontece a multiplicação desenfreada da mesma célula, o que desenvolve o câncer. Há muitos fatores de risco que contribuem para o surgimento da doença. Alguns deles são:

  • Doenças do sangue;
  • Doenças genéticas;
  • Exposição a produtos químicos;
  • Tratamento prévio com radioterapia ou quimioterapia;
  • Exposição à radiação ionizante.

 

Sintomas

Hemorragias, infecções e anemias são os sintomas mais comuns da leucemia. Mas cada tipo e caso pode apresentar manifestações diferentes. As mais comuns são:

  • Febre ou calafrios;
  • Fraqueza;
  • Infecções frequentes ou graves;
  • Perda de peso;
  • Aumento do fígado ou do baço;
  • Sangramento ou hematomas;
  • Hemorragias nasais recorrentes;
  • Manchas vermelhas minúsculas na pele;
  • Transpiração excessiva;
  • Dor nos ossos ou articulações.

 

Tratamento

O tratamento tem o objetivo de destruir as células leucêmicas, para que a medula óssea volte a produzir células normais.

Como existem quatro tipos de leucemia, a forma terapêutica também costuma variar de acordo com a causa da doença e suas variações. O tratamento da leucemia linfoide crônica, por exemplo, não precisa ser imediato, diferentemente da leucemia aguda, que precisa de tratamento urgente com a quimioterapia ou até um transplante de medula.

Os tratamentos disponíveis e mais necessários são:

  • Quimioterapia;
  • Radioterapia;
  • Terapia biológica;
  • Transplante de células-tronco.

 

Prevenção

A única forma de prevenir a doença é evitar fatores de risco como fumo, exposição à radiação ou a produtos químicos e infecções virais.

 

Comentários (0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*